20070323

MAX FUN ZINE

Lá pelo fim dos anos 80, o Marcio (a eminência parda do Nível 3), estava babando pra fazer um fanzine decente, que saísse daquela pasmaceira punk (vigente à época) ou da baboseira non sense do Riso do Louco (um dia eu falo sobre isso). E como a gente formava uma dupla de "criminosos" de baixíssima periculosidade, é claro que o Marcio me convidou para ser cúmplice na parada. Lembro de ter ajudado a desenvolver o nome do zine. Minha idéia era algo como "Max Fax", porque o fax era o máximo da tecnologia da comunicação na época, e "Max" por causa do Max Headroom e, tal qual seu programa, tinha aquela coisa de informar e ser aloprado ao mesmo tempo. Acabou ficando Max Fun Zine. Aliás, eu mais dei pitaco do que fiz alguma coisa. Até cheguei a produzir algum material para o MFZ, mas acabou saindo em outro zine, o Cult Comix da Itiban, criado nos mesmos moldes. Enfim, decidi mostrar um pouco do nosso esforço de informar e se manter informado numa galáxia muito, muito distante época sem internet. Enjoy:

Max Fun Zine - Inverno de 1990
Marcio Chuico entrevista Alexandre Cabral, vocalista dos Missionários

MFZ: Que fim levaram os punks, Alex?

Alex: Os punks de 5 anos atrás, aquele pessoal do Volta? Tá tudo a mesma coisa. Só não há mais festa punk, e não houve mais música punk. Mas tá tudo a mesma merda.

MFZ: Fale desse "boom" rockabilly em Curitiba. Tem umas 5 bandas tocando rockabilly em Curitiba agora. Acho que os Missionários foram os pioneiros, não?

Alex: Acho que sim, não tenho certeza. Acho que não tem nenhum "boom". Geralmente esses "booms" acompanham os de São Paulo, e lá foi há uns 4 anos atrás. Foi na época que abriu o Espaço Retrô, que era um lugar rockabilly e publicavam o Rabo de Peixe, que era um fanzine rockabilly legal. Agora não sei como começou aqui, mas é legal que aconteça porque também não tem que seguir São Paulo coisa nenhuma.

MFZ: Como foi a "Shockabilly Party"?

Alex: Foi legal, foi engraçado. Tocaram os Missionários, Playmobillys, Escroques e Abaixo de Deus. Tava todo mundo meio bebaço. Foi uma festa para dançar.

MFZ: E a Curitiba Rock Festival?

Alex: Foi um lance furado! Pagamos pra tocar, tocamos por último, só 3 músicas e quase todo mundo já tinha ido embora.

MFZ: Como pintou a idéia de fazer aquela cover da Gretchen no show da 1ª Mostra Internacional de Fanzines?

Alex: A minha idéia é de fazer versões rockabilly de umas músicas esquisitas, tipo Gretchen, Jerry Adriani, Antônio Carlos e Jocafi. Passei uma manhã dessas ouvindo compactos antigos na Raridade Discos. Mas o strip tease do Black e do Rodrigão (Beijo AA Força) nesse show foi ótimo. E no outro show, na Shockabilly Party, foi ótimo o strip tease do pessoal do Abaixo de Deus. Tinha um segurança lá que queria tirar eles do palco. Aí eu falei pra ele que fazia parte do show e o segurança foi lá e tirou a roupa também. (risos)

MFZ: E você continua fazendo fanzines?

Alex: Eu fiz este último, o Modern Living, porque tinha muito material guardado. Mas foi só. O Gopo eu faço até hoje, mas num ritmo ocasional, mesmo.

MFZ: Explique essa história de "bailarino profissional arrependido".

Alex: Pois é... Eu fui bailarino profissional mesmo.

MFZ: E por que arrependido?

Alex: Porque é uma merda de uma profissão. Eu cheguei a ser solista do Balé Teatro Guaíra. Eu era competente, mas encheu o saco, mesmo. Eu entrei iludido com aquele papo de "arte" e quebrei a cara!

MFZ: Você é de Belo Horizonte?

Alex: Pois é, sou. Nasci em Santos, mas me mudei pra lá aos 3 meses e fiquei até os 20 anos. E aí vim pra Curitiba.

MFZ: Fazendo uma comparação entre Curitiba e BH, lá eles tem uma organização boa, como Último Número, Sexo Explícito, Sepultura, etc. Em comparação com CWB, é um lance bem avançado ou no teu tempo não era assim?

Alex: Não. Não era, não. Agora, na questão de espaço, é a mesma coisa que aqui. Não tem lugar pra tocar e raramente tem show.

MFZ: E por que as bandas de lá aparecem mais que as daqui?

Alex: É que Curitiba já tem o estigma de ser uma coisa tacanha, culturalmente falando, um cemitério.

MFZ: Quais os projetos dos Missionários?

Alex: A gente não tem projeto. Somos extremamente desorganizados. O Gustavo quer viver de música, ele talvez tenha sonhos com os Missionários. Eu invisto na banda, mas sem ilusões de que vou virar cantor de rock.

MFZ: Mas vocês pensam em chegar no vinil?

Alex: Com certeza! Que banda que não pensa em chegar no vinil?

MFZ: Mas o que vocês estão fazendo para isso?

Alex: Por enquanto, nada.

MFZ: E shows?

Alex: Tô agitando o Espaço Retrô, em SP. Vamos tocar para os gays moderninhos do Retrô. (risos)

MFZ: Além dos Cramps, quais as outras influências da banda?

Alex: O Maurício é "ramonesmaníaco", o Gustavão é rockabilly. Tem uns 80 discos de rockabilly, compra o mesmo disco só porque saiu com uma capa diferente. Eu sou mais punk rock, mas escuto de tudo.

MFZ: A melhor letra da fita "The Rest of Missionários" é a "Música de Brinquedo". Quem escreveu?

Alex: Marcos Prado, Thadeu e Sérgio Viralobos.

MFZ: Como você vê o trabalho da Juke Box?

Alex: Eu acho jóia! A Juke Box é a loja que faltava em Curitiba. As outras lojas que mexiam com underground sumiram, nunca foram a fundo na coisa. O Carlos já vende fanzine de todo mundo, faz camisetas, etc.

MFZ: E este último disco do De Falla, você gostou?

Alex: Não, achei ridículo. Gosto dos 2 primeiros discos, mas neste último os caras retrocederam no lance de estilo. Tão fazendo um estilo que é mais que furado. E heavy sempre foi um troço ruim, um troço chato.

MFZ: O que você tem ouvido de bom?

Alex: Eu ouço muito jazz, agora. Neste exato momento estamos ouvindo James Brown. Vamos ver o que eu ouvi hoje... Devo, Clash, Pixies, Cramps, Batmobile, Iggy Pop, David Bowie, Guanabatz.

MFZ: E o que você anda vendo de bom? Você vai muito ao cinema?

Alex: Vou, sim. O último filme que eu vi foi "Navigator". Achei jóia, bom mesmo! E o filme que mais me surpreendeu nos últimos tempos foi "Afogando em Números" do Peter Greenaway, que é do cacete! O meu pai me ligou agora só pra me dizer para não perder outro filme dele, "O Cozinheiro, o Ladrão, sua Mulher e o Amante", um monte de gente.

MFZ: E dos filmes antigos?

Alex: Eu gosto do "Terceiro Tiro" do Hitchcock, do "Festim Diabólico", "Cantando na Chuva", "Manhattan" do Woody Allen, "Play it Again, Sam" também do Woody...

MFZ: Continuando as perguntinhas no estilo da Folha de São Paulo, o que você está lendo?

Alex: A "História do Medo no Ocidente", é uma análise do comportamento do Homem sob a ótica do medo, como o Homem chegou a se comportar como se comporta hoje, pelos medos que ele sentia desde a Idade Média até meados do século XVIII: peste, sífilis, o mar, a inquisição.

MFZ: O que você tem visto de bom em matéria de fanzines?

Alex: Ultimamente eu só vi um fanzine bom, o Tattoo, de SP.

MFZ: E aquela história que você já leu "Watchmen" 17 vezes?

Alex: Isso é papo furado. Eu já li 21 vezes! (risos) Pra mim, é o melhor quadrinho que já foi feito.

MFZ: E o que mais você gosta em HQ?

Alex: Do Alan Moore eu gosto tudo. Acho "V de Vingança" do cacete, apesar de ser triste.

MFZ: Você acha que os quadrinhos tem algum compromisso com o humor sempre? Na grande maioria das vezes pode-se fazer HQ muito bem sem humor, não?

Alex: É, eu não acho "Watchmen" engraçado, não. Mas "V de Vingança" é muito melancólico.

MFZ: Quais são seus autores favoritos?

Alex: Ultimamente é o Alan Moore mesmo. Lugar comum, mas é verdade.

MFZ: E os nacionais? Angeli, Glauco ou Laerte?

Alex: Laerte é o mais criativo e o que desenha melhor. Eu gosto do Glauco pela cara de pau dele de fazer humor com o traço mais básico e ficar engraçado, tipo: o cara que vai e vomita no colo da mãe, coisa que "a priori" seria uma coisa baixa, a coisa mais óbvia e sem graça do mundo, mas fica engraçado do jeito que ele faz. Já o Angeli eu gosto, mas não sou fã.

MFZ: Fale sobre seu outro grupo, o Die Bundes Republik.

Alex: Bom, é um grupo que eu e o Rodrigão (BAAF) inventamos. Bem, em vez de assumir um rótulo para a banda, ou negar, a gente assumiu todos os rótulos. A idéia era fazer uma banda que fosse meio acid, dance music, mas que fosse barulhenta, não fosse essa nhaca que é a dance music!

MFZ: Você não gosta nada de dance music?

Alex: Gosto de Nitzer Ebb, de Neon Judgement, Front 242. E essas bandas trabalham com tecnologia, e como a gente não ia ter dinheiro pra usar tecnologia, o primeiro rótulo que a gente assumiu foi o low-tech. Aí, o outro lance que a gente inventou foi o "do it yourself service", que pode ter várias interpretações. Pode ser traduzido como "sirva a você mesmo", que é parecido com o "faça você mesmo" do punk, ou pode ser um serviço de "do it yourself": você não precisa mais fazer você mesmo. Você liga e a gente faz pra você. (risos) A idéia era trabalhar com o maior número de colagens possível. A banda tinha 3 baterias: uma eletrônica, uma gravada e uma ao vivo. Aí a gente fez uma fita base que era a bateria gravada junto com vários sons. Tinha S.O.D., William Burroughs falando, umas gurias cantando ópera, tudo misturado. E em cima dessa fita a gente fez 3 músicas. A idéia era fazer shows de tamanho padrão, entre 10 e 12 minutos. É tudo muito barulhento, quem viu o ensaio achou engraçado. Outros torceram o nariz. Parece som aleatório mas não é, porque sempre que a gente tocava saía igual, porque é ritmico. Outro rótulo nosso é música brutalista.

MFZ: Vocês nunca chegaram a tocar ao vivo, mas estão pensando nisto?

Alex: Não sei. A gente nunca mais falou sobre isso.

MFZ: Quem são os bunders?

Alex: Os bunders são 4: eu, o Rodrigão, o Maurício e o Trindade. A gente tinha também letras em alemão. Uma letra engraçada era de um alemão perguntando quais as praias mais badaladas do sul, meio non sense, e o refrão era "Onde mora Amir Klink?". Outra letra era "Numb Dance, Dumb Music", era só isso a letra da música. Outra era uma versão noise da Marselhesa. Mas é um negócio que nunca daria certo em Curitiba. Era muita zona.

MFZ: O Rodrigo disse uma vez que o objetivo principal de ter uma banda era comer mais menininhas, e só depois é tocar. Com os Missionários é a mesma coisa? Ou você prefere a monogamia?

Alex: Aquele papo de monogamia é papo furado! Você leu na Animal isso, né? A gente tem tiétes fiéis! Não é uma desconhecida bacaninha que a gente viu que vem dar em cima. São sempre aquelas mesmas que vão ao show e a gente já viu bastante.

MFZ: Você também faz histórias em quadrinhos?

Alex: Eu já pensei em fazer quadrinhos, mas tudo na base da colagem. Quem fazia isso era o Liberatore, do Ranxerox. O traço dele não era tão realista como hoje. Era mais caricato e onde, por exemplo, precisasse de um prédio, ele não desenhava, e sim colava uma fotografia. E ia mais além, colava quadrinhos alheios no meio da história.

MFZ: E você já fez aquela tua colagem com as Paquitas?

Alex: Não fiz ainda. Eu tenho que achar uma foto legal delas.

MFZ: E qual é a idéia?

Alex: Eu quero declarar a minha pedofilia nazista pelas paquitas! É que elas são escolhidas pela ótica ariana! (risos)

MFZ: E que fim levaram os teclados dos Missionários?

Alex: Acabou. Porque o Mário era muito chato pra ensaiar. Era pentelho, bebe pra caralho e fica enchendo o saco.

MFZ: Mas ele já tocou com vocês?

Alex: Já, agora não toca mais. Agora nós vamos tocar na Metrô* e... Quero dizer, no Retrô. (risos) Pois é, vamos tocar no Retrô, com as menininhas de lá fazendo strip tease. (risos)

MFZ: Foi um ato falho interessante, porque é a idéia é ótima. (risos) Porque vocês não aprontam uma dessas?

Alex: Ah, o Metrô tem um público certo.

MFZ: Ora, levem o público dos Missionários para o Metrô. Ou Vice versa! (risos)

Alex: É o público do Metrô que não ia gostar da gente nunca. (risos e risos) Mas eu ia achar do caralho! (risos)

* Nota: Metrô (ainda) é uma boate de quinta categoria em Curitiba.

People Ain't No Good - The Cramps

7 comentários:

  1. caramba primo!
    de onde vc desenterrou isso? digitou tudo ? que paciência.
    "chegar no vinil" rerererere
    caralho! como estamos velhos, meu topete já tem mais cabelos brancos do que castanhos. essa entrevista foi feita em 89, eu acho, e o zine saiu em 90.

    ResponderExcluir
  2. Me sentia velho, agora então...
    Navigator? Nem lembrava mais disso.
    Verdadeira cápsula do tempo.

    ResponderExcluir
  3. Achei que era algo que valia a pena ser resgatado. Hehehehe! Qualquer hora dessas eu transcrevo a entrevista que a gente fez com o Angeli, Laerte e Glauco... Tem com o Luiz Gê, também. Sujeito super humilde!

    ResponderExcluir
  4. tenho que achar o audio disso tudo, deve estar numa velha K7, numa caixa aí em curitiba...

    ResponderExcluir
  5. Pô! Vamos digitalizar isso e disponibilizar aqui! :)

    ResponderExcluir
  6. Eugenio2:07 PM

    Nem eu lembrava mais do Max Fun Zine! Tem que resgatar isso, mesmo. A tempo, Lux Interior manda dizer que a música é "People Ain't No Good" e não "Peope...". Sabe como é, né? Ele é chato...

    ResponderExcluir
  7. Hoffmann6:31 PM

    Pô... Depois de transcrever tudo isso você ainda esperava que eu escrevesse "people" corretamente?

    ResponderExcluir

O sistema de comentários é disponibilizado aos leitores do "Nível 3" exclusivamente para a publicação de opiniões e comentários relacionados ao conteúdo deste weblog. Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste weblog ou de seu autor. Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. O autor deste weblog reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação de seu autor (nome completo e endereço válido de e-mail) também poderão ser excluídos.